Home       Domingo, 21 de Outubro de 2018

95% das fintechs brasileiras esperam aumentar receitas em 2018, aponta pesquisa

A concentração de serviços nas mãos de poucas instituições financeiras, o spread bancário elevado, a expectativa de normas regulatórias que estimulem maior competição e o perfil diferenciado dos empreendedores fazem do Brasil especialmente atraente para fintechs que ofereçam soluções inovadoras e investidores que queiram apoiar esta disrupção.

Esta é uma das conclusões da Pesquisa FinTech Deep Dive 2018, levantamento feito em parceria entre a Associação Brasileira de Fintechs (AB Fintechs) e a consultoria PwC Brasil. No total, foram ouvidos 224 fundadores de empresas brasileiras de tecnologia financeira em questionário apresentado no primeiro semestre de 2018.

Este otimismo é evidenciado pelo índice de empresas ouvidas que esperam aumentar suas receitas neste ano: 95%, sendo que 67% delas tem a expectativa de aumentar a renda bruta em mais de 30% em relação ao ano anterior. Outras 28% preveem um crescimento entre 1% e 30% em 2018. O otimismo do setor é ainda maior se levarmos em conta que metade das empresas espera alcançar o break-even point (ponto de igualdade  entre receitas e despesas) ainda este ano, enquanto outras 36% tem expectativa de alcançá-lo até 2020.

Um dos métodos buscados é o investimento financeiro: cerca de dois terços das empresas esperam fazer captações em 2018 e 90% das empresas que sinalizaram isso esperam receber mais de R$ 1 milhão. O grau de investimentos que as fintechs receberam também foi levantado no estudo: 40% delas captaram, desde sua fundação, aportes inferiores a R$ 1 milhão, enquanto 29% ficaram em um patamar entre R$ 1 milhão e R$ 5 milhões.

Recursos humanos é desafio das fintechs

A pesquisa também levantou alguns dos principais entraves para potencializar ainda mais seus lucros. Metade das fintechs que participaram apontam que atrair profissionais qualificados é o principal obstáculo, seguido por alcançar escala necessária para operações (apontada como problema por 42% das empresas), conseguir visibilidade (34%) e obtenção de investimento (29%).

“Levando em conta que conseguir profissionais qualificados é uma dificuldade de praticamente todas as áreas, a falta de visibilidade é um problema peculiar das fintechs, já que uma grande fatia da população ainda não conhece seus principais serviços. Isso explica por que este setor ainda tem um impacto limitado na economia e abaixo do potencial. O foco das fintechs deve ser para que os consumidores conheçam e comprem seus serviços”, afirma Rodrigo Soeiro, presidente da ABFintechs.

Há ainda uma necessidade de se reinventar cada vez mais na área tecnológica. Ferramentas que eram sensação no passado se tornaram commodities atualmente e são dominadas pelas fintechs, como serviços de nuvem e mobile. A pesquisa mostrou que 19% das empresas do setor pretendem dominar no futuro a inteligência artificial, enquanto 16% querem o mesmo com blockchain e 13% com data analytics.

Fonte: Caio Alves, do IPNews